Páginas

25 de jul de 2012

RAÍ E ZECA CAMARGO


BOMBA!


Raí ex-jogador de futebol e Zeca Camargo apresentador global vinham conduzindo o romance sem deixar transparecer nenhuma suspeita uma vez que o jogador se portava como casado normal e ambos fingiam muito bem.
Raí,  foi o que mais surpreendeu.Símbolo sexual entre a mulherada foi o causador maior da bomba que caiu em forma de escândalo.Zeca que já frequentava as baladas gays teve mais leve a decepção.  Mas o  pior mesmo, foi o fato de o casal já estar junto há dois anos as escondidas.
A Globo, como sempre conservadora, proibiu qualquer ventilação do escândalo nas repartições globais.
Os dois, já com várias saias justas, com essa, é só mais uma que soma: o término do casamento de Raí foi em consequência da razão bem mais forte que nada fica a desejar a um casal apaixonado convencional.






8 de jul de 2012

QUEM QUER COMPRAR ESTE SÍTIO ?

(O SÍTIO SINISTRO QUE NENHUM COMPRADOR INTERESSOU-













VENDE-SE - O sítio de onde Eliza saiu para a morte: ninguém se interessou por comprar a propriedade de Bruno. Ali, enquanto a amante ficava trancada em um quarto, o goleiro oferecia um churrasco no quintal, local em que, dois dias depois, queimaria as roupas da moça
Nesse ponto, entra em cena a figura-chave que se manteve por todo esse tempo à sombra do enredo: José Lauriano de Assis Filho, o Zezé, então policial na ativa que conhecera Bruno e Macarrão dois anos antes. Foi Zezé quem apresentou ao grupo um matador conhecido na região, o ex-policial Bola -- o que ele admitiu no inquérito e repetiu a VEJA. Justificou-se: o filho de Bola queria ser jogador de futebol. Do motel, Macarrão e Zezé se falaram 23 vezes por telefone; a certa altura, as antenas dos celulares mostram que os dois estavam pertíssimo um do outro e que no quarto 25, de Macarrão, alguém autorizou a entrada de um visitante, que lá permaneceu quarenta minutos. Mas a polícia não conseguiu comprovar um encontro de Zezé com Macarrão ou Bruno. “Eu estava caminhando naquela região”, disse Zezé a VEJA. “Temos a convicção de que ele participou de tudo, mas não conseguimos provar”, diz o delegado Moreira. Os dois grupos seguiram viagem até o sítio do goleiro. Chegando lá, Eliza e o bebê foram trancados num quarto, onde a polícia depois detectou vestígios de sangue no chão. Despreocupado, Bruno organizou um churrasco para cerca de trinta pessoas no quintal do imóvel -- na ocasião os convidados não tinham permissão de entrar na casa, restringindo-se à área do jardim. Nesse churrasco, Cleiton Gonçalves, amigo do goleiro com passagens pela polícia, quis ir ao banheiro, foi impedido e acabou avisado do cativeiro. À polícia, ele disse que percebeu as intenções do grupo e aconselhou o goleiro: “Não mata ela, não”. Ao que Bruno respondeu: “Já fiz m..., agora vou resolver”.
(Fonte Rev. Veja)