Páginas

31 de mar de 2010

PF INVESTIGA QUADRILHA E DEPARA COM O GENRO DO PRESIDENTE










A PF estava investigando uma quadrilha de estelionatários e corrupção.
Qual não foi a surpresa nas escutas telefônicas quando deparou-se em um dos contatos, com Marcelo Sato, então esposo de Lurian, filha mais velha do presidente.
O diálogo era com o empresário João Nojiri ligado a uma quadrilha investigada por lavagem de dinheiro, operações cambiais clandestinas, ocultação de bens e tráfico de inflluência.
Fazendo vergonha ao sogro presidente, Sato foi flagrado na gravação, no momento em que negociava o recebimento de R$ 10. 000 reais que deveria ser repassados a Lurian, segundo Polícia Federal.
Oficialmente empregado como assessor parlamentar, o genro do presidente funcionava como lobista do grupo de tráfico e, realmente, nos telefonemas era visível o estreito relacionamento que tinha com a turma.
Na escuta, ele prometia a suspeitos maus elementos, agendar e facilitar o encontro de políticos da cúpula incluindo até mesmo o presidente, por dinheiro.

Lurian em contrapartida nega terminantemente qualquer negociação com o chinês bandido, João Nojiri.
Mas para tristeza e decepção do importante pai, ela foi desmentida "na lata" pelo empresário e pelo marido.
O certo é que ela teria recebido os R$10. 000.

Pela mixaria em dinheiro com a qual se serviram e lambuzaram por tão pouco, em comparação com os altos valores desviados, em negociatas inexcrupulosas, uma honestidade se explica:

Será se o presidente tem deixado a primogênita passar dificuldades ?
Quanto o possível constrangimento de Lula, que deve ter se decepcionado com o envolvimento do casal na coisa feia, soma-se também o escândalo de terem lavado roupas sujas fora de casa. Mas,não convém a V. Exciª se importar com o fato; pois, embora presidente, não é a" palmatória do mundo". Aliás, ultimamente, nem o Papa tem escapado de lavações.

O QUE VEM DEPOIS DO ATO IMPENSADO DE JOGAR UMA CRIANÇA PELA JANELA

CONSEQUÊNCIAS



Isabella caiu da janela do sexto andar. Indefesa, a frágil garota de5 anos, não teria iniciativa para rasgar a tela de proteção. A partir de então, a justiça levantou suspeitas.

Considerados culpados diante da indignação do público, Alexandre Nardoni, aos 31 anos, foi condenado a 31 anos de reclusão.

Anna Carolina aos 26 anos, foi condenada a 26.

Se as penas forem cumpridas convenientemente, calcula-se que ele sairá em 2041, com 62 anos, ela em 2036 com 52. Ele na terceira idade e, ela depois de curtir todo o calor da menopausa numa cela abafada.

OS FILHOS

Os filhos com idades de 5 e 3 anos, vão conviver por mais de 20 longe dos pais.Certamente nessas alturas já sofreram discriminações, já foram apontados nas ruas e criticados. Expostos na escola e no cotidiano normal, mesmo sem terem culpa, já sentiram na pele a marca da aversão de serem filhos de pais assassinos.

Depois de tudo que passaram, criados, casados, revoltados ou não, vão ter que "engolir" os dois velhos chegando em casa, tardiamente, depois de cumprida uma longa pena. Na tentativa de reconquistar os que deixaram pequenos em casa, mentem para eles que pagaram um crime que não cometeram ou deixa pensar o que quiserem. Não adianta tapar o "sol com a peneira".

Enquanto as brechas na lei tão garimpadas pelos pais do casal, advogados, não vêm, tempo é o que não vai faltar para tecer, tricotar, lavar roupas sujas e remendar ousadias de toda espécie. Isso, enquanto não chega uma nova era de mentalidades inovadas pelo avanço que até lá pode ser a salvação. Os valores podem se reverter e o sentimento deixar de existir. Menos mal.

27 de mar de 2010

O AMOR É MESMO LINDO ENTRE ALEXANDRE E ANA JATOBÁ ?





NA SAÚDE E NA DESGRAÇA-

Muitos dizem que a troca de cartas entre os Nardonis não passa de uma farsa.Um subterfúgio para que amenize contra eles a imputabilidade criminosa.
Também é sintomático quando ele denota ciúmes dela. Ele pode estar querendo expressar a paz e a sinceridade entre ambos.

OS TIRANOS TAMBÉM AMAM


"... sinto falta de cuidar de você..." Ela quer demonstrar dedicação e amor escondendo o ato desumano que deu vazão à fatalidade.
"... Na madrugada passada levei várias picadas e meu braço ficou muito inchado..."Aproveitando a oportunidade de as cartas serem revistadas antes de serem lidas pelo destinatário, ela agarra à chance de se pintar de meiga e sensível quando reclama, cheia de dengues, as picadas de insetos que no seu braço tanta alergia causou.
Em outras trocas de correspondências se inocentam fazendo alusões às injustiças por que passam.
O assunto em detalhes demorados sobre os filhos, certamente a intenção é demonstrar o quanto gostam de crianças.
Querem amenizar o juizo monstro da imagem já formada pelo mundo inteiro, contra eles.
Ao mesmo tempo ele esquece e por um momento incompatibiliza-se com o objetivo dos escritos insinuando o gênio dela difícil quando a pede para ter muita calma e paciência com a situação. Se bem que por outro lado, enquanto a aconselha para não "explodir como um barril de pólvora prestes à explosão", em outra face ele se projeta em pele de cordeiro como exímio tranquilo; fazendo a sua "fezinha", dá uma de santinho do "pau oco".

Nessa hora, vale tudo.

24 de mar de 2010

FALSO CARDIOLOGISTA IA DE VENTO EM POPA NO EXERCÍCIO DA MEDICINA ASSUMIDA POR ELE



Com 16 anos de ajeito, um falso médico dessa vez, foi mais longe. No exercício da profissão escolhida quase chegou a se aposentar.
O pior é que optou pela decisão errada em se tratando das tantas situações que levam riscos à saúde.
Decidiu por conta própria dar uma de médico e num segundo agravante fazia as vezes de especialista do coração, sem que fosse preciso antes, ter frequentado uma faculdade de medicina.

O "Dr" antes do nome, enquanto a máscara não caísse, lhe casava muito bem. Atuava sem padecer dúvidas no Hospital de Japeri, na Baixada Fluminense da cidade do Rio de Janeiro. Enfim, enganava perfeitamente.
Atarefadíssimo, sem tempo nem de parar para ouvir voz de prisão, estava atendendo uma fila enorme de clientes quando foi flagrado e preso com mandado judicial.
A polícia atravessou a clientela que ainda faltava para consultar, depois de o falsário já ter prestado atendimento a uma dezena de pacientes com direito a encaminhamentos de internações, receitas exames e injeções. Tudo isso estava na ordem do dia do compromisso do doutor, mentiroso, com o hospital. O que não estava nos planos era ser interrogado pelo delegado sobre o tamanho daquela apelação.
Contratado pela prefeitura, Júlio César Fernandes Pinto, por coincidência passava por outro médico do mesmo nome cuja única diferença era seu último sobrenome que mantinha, Pinto, em vez de Lima, pertencente ao titular da credencial apossada por ele.
O Dr. Júlio como era chamado, já era bem conhecido do público naquelas imediações. Aliás, sabia como poucos engabelar a Secretaria de Saúde muito bem.Diante da cobrança do diploma que nunca vinha, saía-se como desentendido. Uma mentirinha aqui, outra acolá tudo ia sendo encaminhado como bom engabelador.
Cabelos brancos que denotavam experiência, talvez um craque em lidar com estetoscópio, teste ergonômico, raios xis do coração; certamente mais expert na área do que muitos especialistas preparados convenientemente para tal.
Equilibrou-se até se chegar perto de curtir os louros do tempo transcorrido na falsa atuação.

Pensando que se sairia invicto da profissão de araque para a aposentadoria, não pensava que a qualquer momento pudesse pagar caro por ter apelado e escolhido o caminho mais curto para se equiparar a quem teve de fato que percorrer uma longa caminhada para ali chegar.

22 de mar de 2010

RESULTADO DE TESTES INDICA O FIM DA LINHA NA LUTA CONTRA O CÂNCER





O resultado dos testes laboratoriais é sintomático.
Ao que tudo indica, constitui-se um salto para o futuro dos nossos descendentes. A concretização paira na mais recente descoberta muito bem-vinda à humanidade.
A sensação é a mesma de estarmos vivendo o ano de 1928 quando foi descoberta a penicilina. Hoje, 82 anos depois, um indício do desfecho de nova modalidade de missão. Em vez de tentativas exaustivas por meio de drogas tóxicas no combate oncológico, os cientistas mudam a rota e apelam para a inovação de um caminho molecular. Ao que parece, a largada é certeira ao extermínio das células cancerígenas que tanto afligem à população.
Pier Paolo Pandolfi (foto) da Harvard medical Shool - Boston, em parceria com outros cientistas, submeteram a testes ratos geneticamente modificados que desenvolveram uma forma de câncer de próstata. Desta feita tornado possível pelos estudiosos o extermínio do SKp2 (gene causador do câncer):
Quando os ratos em pesquisa atingiram 6 meses de vida, fora observado envelhecimento e morte forçados de células contaminadas pelo câncer. Mediante a análise dos tecidos dos nódulos linfáticos e da próstata, diferente das outras vezes, fora constatadas surpreendentemente células fracas, lentas e impotentes ao processo de divisão.
Tal invenção ao troco de longa luta não foi conquistada ao acaso como a descoberta da penicilina. Foi obtida pelo mérito de longo esforço considerado até o presente momento a idéia mais importante em toda a história da humanidade.
A novidade, portanto, que já foi obscura, agora, pode ser considerada uma luz que acende na ciência prenunciando, ao que tudo indica, a chegada ao final da feliz caminhada como saída exclusiva contra o mal.

18 de mar de 2010

CRIANÇA É ARRANCADA DOS BRAÇOS DA MÃE FRENTE ÀS CÂMARAS DE TELEVISÃO





Na delegacia de Jundiaí, SP , uma criança de um ano e meio foi arrancada à força, por uma policial, dos braços da mãe.
A cigana Dirvana Dias foi acusada de levar a filha para pedir esmolas no centro da cidade.
Com ordem judicial, o abuso previsto em lei foi levado a termo. A criança e a mãe que não cediam à separação se abraçavam aos prantos e desespero enquanto a policial forçava a separação.
A aflição entre mãe e filha registrada em vídeo foi tamanha, de maneira a comover o mundo.
As imagens captam a menina sendo puxada com violência e levada de dentro da delegacia para um carro da prefeitura que aguardava à porta.
O destino era um abrigo de menores para onde a criança inconsolável foi levada. A cena insensata e traumática para uma mãe que assiste a contragosto a partida da filha, emocionou os mais insensíveis cristãos.
Seria essa a solução encontrada pela justiça que julgou o caso e fez cumprir a determinação ?
Segundo o juiz do caso, o bebê estava exposto a risco e submetido a vexame.

Mas para muitos que viram o vídeo, maiores serão os riscos do trauma da separação e do vexame frente às câmaras.
A prova de amor materno suplanta em favor da mãe que pede esmola levando a filha. Certamente, na sua simplicidade de mãe, queria mostrar com orgulho que é para a filha que está pedindo o pão.

17 de mar de 2010

A QUE SE DEVE A MORTE DE GLAUCO E SEU FILHO ROANI ?











Efeitos psicóticos derivados de drogas, intenção de sequestrar para roubar ou até mesmo inveja pela vida bem sucedida do cronista da sociedade brasileira se encaixam como prováveis motivos que puseram fim a vida de Glauco Villas Boas e seu filho Roani.

O desfecho trágico que revoltou todas as classes sociais,terá sem dúvida uma breve resposta à população quando será confirmado o porquê de tanta ingratidão.
O usuário de drogas e frequentador da igreja Céu de Maria fundada por Glauco a quem era procurado como conselheiro pelo criminoso confesso Carlos Eduardo Sundfeld não inspirava desconfiança.

Um alerta a quem se investe por inteiro numa proposta sublime por vezes aberta ao desconhecido.

Pela missão a que competia o espírito filantrópico como causa tão bem conduzida, as vítimas certamente não imaginavam que pudesse dali emanar o imprevisível que muitas vezes sai de onde menos se espera.

11 de mar de 2010

A VOLTA DO CINTO DE CASTIDADE






























CURIOSIDADE)


Há poucos dias, deparei-me com uma peça bizarra no mostruário de uma loja. Curiosa, depois de desnudar àquela engenhoca, pude definir o que estava a minha frente.


A peça metálica trancada a duas chaves, era tudo; o que eu mais queria garimpar da história da antiguidade. Nascida na idade média, àquela invenção na vitrine poderia estar ali se servindo de enfeite à moda antiga, vez que, ali não era museu, nem antiquário. Incompatível com o século XXI, o que não se permitia à cultura atual era ressuscitar algo nascido e apagado pelas últimas gerações.


Pensei em tudo, menos na possibilidade de o objeto ter voltado a ser mercadoria na prateleira do primeiro mundo onde aquela raridade ali explícita era senão um cinto de castidade que não justificava o seu regresso ao mundo desenfreado sem controle ou limitações. O encaixe pesado e áspero junto à pele sensível da mulher, é motivo de piadas e críticas no tocante ao sexo mais explícito.

A necessidade de o homem tirar do baú a proteção de ferro é justamente para fazer da sua amada a diferença; o que significa defender os seus interesses à mão de ferro contra todo e qualquer mal da evolução.


“Num contexto diferente, é grande o número de maridos e mulheres que procuram hoje, o “totem do ancestral sagrado” no mercado”. E para não se caracterizarem como antiquados, escondem o subterfúgio literalmente a sete chaves.


Depois da emancipação da mulher, para quem não sabe, houve um acordo mútuo e equivalente entre casais. Acordado pela lei de igualdade Maria da Penha, o homem tanto quanto a esposa, tem também o seu cinto à venda no mercado. (foto)
Portanto, ele só pode trancar à chave o cadeado da esposa (foto) em troca de ela também trancar o dele.

8 de mar de 2010

COMO ACONTECE A PENA DE MORTE POR INJEÇÃO LETAL



(REFLEXÃO)
Por falar em crimes hediondos a exemplo do que tirou a vida da dentista Rosemar Pereira da cidade de Santos, esse blog pesquisou o tipo de pena de morte por injeção letal. Muito usado em outros paises com exceção (infelizmente), do Brasil, nessa oportunidade, vale conferir a seguinte opção no processo diligenciado contra um criminoso:


PREPARATIVOS PARA AS INJEÇÕES

O condenado é preso em uma maca onde se posiciona com os braços abertos e atados com cintos, o mesmo acontecendo com o tronco, abdômen e à altura da clavícula.


COQUETEL MACABRO

Enquanto a medicina cuida de fazer viver em tempo mínimo, concomitantemente, o coquetel macabro cuida de fazer morrer em apenas um minuto.
Com doses aplicadas em três tempos por via intravenosa, alguns segundos, (mas, os piores que se possa imaginar), são suficientes para o desenlace:

A 1ª aplicação – 5 gramas do anestésico pentotal sódico encharcam o córtex cerebral, atrapalhando o funcionamento das células responsáveis pela consciência que faz perder os sentidos.
A 2ª aplicação- 50 milímetros de brometo de pancurônio, que atua como um relaxante muscular. Ele impede que o sinal nervoso responsável pela contração dos músculos seja transmitido. O diafragma –essencial para a respiração – deixa de funcionar.

A 3ª –Nessa etapa, o condenado geralmente já está morto. Mas, para garantir a execução, são injetados mais 50 mililitros de cloreto de potássio, que impedem a contração do músculo cardíaco, parando o coração.

DOSE CAVALAR

A primeira seringa vem recheada com uma dose altíssima de anestésico, que deixa o condenado desacordado. Segundo o anestesiologista José Otávio Auller Jr., da Universidade de São Paulo, não dá nem para contar até dez antes de dormir. “Só essa quantidade exagerada de borbitúrio, vinte vezes maior do que a média usada em cirurgias, já pode provocar a morte por parada respiratória.” Em seguida os executores aplicam um forte relaxante muscular, que, entre outros efeitos, paralisa o diafragma, interrompendo a respiração. O toque final é dado pelo cloreto de potássio, que para o coração. Daí, não mais que um minuto o processo da execução estará consumado.

6 de mar de 2010

FINAL JUSTO. MONSTRO ASSASSINO DE DENTISTA QUE CONHECEU NA INTERNET, FOI PRESO






(ALERTA CONTRA AVENTUREIROS VIRTUAIS)

UM PEDIDO

No dia 21/01/10 esse blog recebeu um comunicado de João Carlos que se dizia cliente da dentista Rosemar Pereira, 45 anos, morta em Santos, SP com requintes de crueldades, pelo marido.
Indignado, com a violência cometida, joão Carlos pretendia divulgar o máximo a foto do considerado monstro Odair Marinho de 52 anos.
Postado o apelo, e fotos, resultaram em alguns comentários, entre eles, três anônimos teriam visto o assassino em possíveis locais.

TUDO MUITO RÁPIDO

O relacionamento do casal foi relâmpago. Conheceram virtualmente e, em menos de dois meses namoraram, noivaram e se casaram. Um mês mais de vida conjugal conturbada (Três ao todo), foi suficiente para que ela tivesse morte estúpida como se pagasse pelos erros que ele cometeu.
Das investigações policiais constadas dos autos, em carta enviada a ela e assinada por Marinho, a justiça pôde confirmar as suposições de que ele pretendia apenas extorquir dinheiro fácil e, tudo indica que esse fato foi o pivô do desentendimento que resultou no ato feroz de execução da moça e sumiço dele por três meses de duração.

PRISÃO

O acusado foi preso na cidade de Ouro Fino, no sul de Minas Gerais, em frente a uma casa lotérica. Graças à denúncia de alguém que confrontou a imagem do forasteiro nas ruas da pequena cidade, com a divulgada em programa de televisão.

HOMEM FEIO

Dona Alzira, mãe de Rosemar foi ao Programa de Datena na televisão e agradeceu a todos que contribuíram para que o momento tão esperado da prisão do assassino da filha chegasse.
O sentimento materno num ato de desespero, acredita que o motivo de a filha bonita apelar para o homem feio, deveu-se ao poder de persuasão dele e a carência dela. Acredita-se nas características da feiura um aviso de todo o requinte do mal.
O desfecho da alegria que teve como princípio um bate papo descontraído (de quem quer pegar passarinho) pela internet, resultou em estrangulamento e esganadura com um cordão de roupão depois do saldo do espancamento com muitas fraturas na face e hematomas por todo o corpo.

Enfim, essa é mais uma lição que se marca em circunstâncias revoltantes. Verdadeiro exemplo de uma trajetória curta de quem foi mais uma vítima da vez a se entregar de corpo e alma a um aventureiro virtual.

3 de mar de 2010

MÉDICOS BRIGAM NA SALA DE PARTO AO LADO DA PARTURIENTE COM CONTRAÇÕES


PIOR QUE BICHOS


No hospital municipal da cidade de Ivinhema a 345 km de Campo Grande em Mato Grosso do Sul, uma discussão acirrada seguida de socos e pontapés entre médicos teria sido motivada pelo valor de R$1oo, pago pelo SUS a uma cesariana.

A cena foi das piores de se ver. Na sala de parto, onde tudo aconteceu, Gislane já estava posicionada a dar à luz depois de ter aguardado ao lado do esposo Gilberto 24 longas horas na fila de espera daquele hospital. Na mesma sala, o médico plantonista da vez que se tratou também da parte do preparo da parturiente, se cuidava da vestimenta do jaleco, enquanto a mulher ali exposta continuava se contorcendo e urrando de dor pelo número de contrações.

Enfim, tudo pronto para começar a cesárea de emergência que nunca tinha início.
Vale esclarecer que o médico plantonista que estava ali, não era o mesmo que a acompanhara no pré-natal.

Mas, não demorou muito para entrar em cena o dito cujo, pronto para iniciar também a operação. Tanto quanto o outro médico, vestia-se como convinha à ocasião, além de trazer um prontuário à mão. Mal comprimentou os presentes foi tomando frente no procedimento que se achava no direito de levar a termo a sua dedicação durante a gestação.

Foi aí que os dois se desentenderam.

o momento não era nada propício disseram as testemunhas, principalmente a paciente que já julgava sem tempo aquele clima de animosidade e desrespeito regado de palavrões e bofetões.

Que fossem brigar la fora depois de se cuidarem primeiro da responsabilidade e mais tarde, com os ânimos frescos, se organizariam muito bem.

Mas a ignorância falou mais alto, com alguma semelhança que lembra o conto de Ângela Lago conhecido na Literatura Infantil.

A fábula da onça e do bode que, embora se tratasse de dois irracionais tiveram no encontro do fim, muito mais educação:

Sem nenhum dos dois saberem da existência do outro haviam construído a mesma morada. No final, entraram em acordo resolvendo muito embora a contragosto dividirem juntos o mesmo teto.

Ao contrário dos bichos, sem diplomas, os dois doutores com formatura em medicina, pais de famílias conceituados, rolaram e atracaram-se pelo chão na hora imprópria deixando de lado o paciente, a ética e, sem pensarem no nenê que tão logo veio a falecer de asfixia pela demora do atendimento.

Diferente do bode e a onça, os dois encontraram-se na hora do parto e não cederam ao consenso. A ignorância falou mais alto no ser humano.

Não pensaram que valeria a pena dividir para não ter que subtrair das suas vidas, no mínimo, seus empregos, a partir de então.