Páginas

4 de out de 2010

O PERIGO A QUE ESTÁVAMOS EXPOSTOS

ESCAPAMOS NUM BARCO FURADO                
                                                                                 
                                                                 

Por pouco nós é que teríamos afogado!
Hélio Costa, o eterno candidato a governador de Minas Gerais , estivera por muitas vezes  à frente das pesquisas . Mesmo nadando de braçada e morrendo na praia, não titubeava.A todo vapor, sempre em época de eleições para governador, ele vinha  fazendo rota do seu estado de origem, à Belo Horizonte onde  o seu marketing era bem  vendido.                                                    
                                                                                                                                                                                            
Pelo gostinho de "quero mais "de outros tempos, o jornalista resolveu  aconchegar a sua campanha por ali, de vez, embasado na certeza de vir fixar residência  não no apartamento de R$ 2,5 milhões que comprou para investimento no Belvedere  mas no Palácio do governo.
Ingênuos, certamente, os mineiros afeitos á hospitalidade abaixaram demais "as calças" para o forasteiro que aqui aportou com sua bagagem e foram tantas as vezes que driblou as pesquisas contra os  legítimos adversários da terra que, ao menor sinal de campanha lá vinha ele de novo com a boca doce      saborear  os nossos sonhos.
Mas a ambição era tanta que mal podia deixar para depois.A revista "Isto é" que já anda  à espreita,na sua edição de nº 2133 com reportagem intitulada a "Lavanderia do ex-ministro", aponta para documentos  que já estão seguros pela Procuradoria- Geral da República que mostra indícios com base nas investigações de lavagem de fortuna de R$ 169 milhões da Telebrás envolvedo o "homão", Ex- Ministro das Comunicações.
Supõem-se que parte do dinheiro foi parar na sua rica campanha. Mesmo com os dados  ultimados pela COAF, a sua lavagem cerebral  não ficara inibida. Custou  milhões que corriam frouxo aos montões para Collor de Melo nenhum botar defeito.

                                            
                                                                                  O ficha "imunda", provocou prejuízo na Telebrás juntamente com sua quadrilha graças as apurações que já adiantaram os nomes e as profissões de araque dos "bois".São eles: Ana Catarina Figueredo Xavier Costa ( profissão: esposa de Hélio Costa), Eugênio Alexandre Tollendal Costa (profissão,o filho do Costa), Jorge da Mota (ex-presidente da Telebrás), Manoel Elias Moreira (assessor da Telebrás), Uadji Moreira e Jaciara Menezes Moreira.
As investigaçõs que também andam a todo vapor como andaram as  suas gambiarras contra o povo, agora, são"esquadrinhadas" em sigilo  para tão logo desencadear na dureza das tantas revelações.E estas, que mal têm início,demonstram o tamanho do risco a que estávamos expostos. E, "pior do que agora tá," poderia  ficar caso o "costa larga" viesse  ganhar a eleição.

Um comentário:

  1. Marina Silva (advogada de Gov. Valadares)5 de outubro de 2010 08:04

    Parabéns, é isso ai,madame.O povo tá ficando esperto.

    ResponderExcluir