Páginas

2 de ago de 2011

O DRAMA DE VERA FISHER FORA DA TELA


                                                                                                                                    
ALERTA SOBRE O QUE OCASIONA O USO DA DROGA QUE ALASTRA

Há mais de 20 anos Vera Fisher vem mantendo a triste trajetória no caminho das drogas.
Hoje, aos 60 anos se sentindo acabada e admitindo decadência, assume a opção errada do caminho projetado.

As suas idas e vindas pelas clínicas de reabilitação explicam a recorrência como apelação e desgraça.

O seu histórico da escalada que se permite é recheado de crises com direito a quebradeira de móveis, agressão à tesouradas, bate-bocas violentos, perda de guarda de filho, dobradinhas com o álcool. Como se não bastasse tantas situações envolvidas o pior é a solidão que também enfrenta talvez por ser uma mulher inconsequente. Daí, o círculo vicioso aos subterfúgios inconvenientes e escolhidos como novos refúgios na droga e no álcool. Estes possam ter sido eternos causadores da bandeira negra de sua conduta que em princípio não evitou para chegar onde chegou.

Aliás, com tanta popularidade no currículo, beleza e talento vida a fora, a ex- miss Brasil e atriz global mais bela do passado,  hoje segue desacreditada com pele marcada por rugas e expressões renitentes motivadas pela dependência química.

Cansada e abatida, Vera, Chega, agora, as vias do fato contra a vida arriscada que escolheu. Turbulenta, sufocada e, por vezes menos bonita é um pouco do óbvio que ora, a contragosto, lhe afeta. Para tanto,até livro sobre a luta que lhe amarga tendo a dor já instalada, recentemente,já lançou.

Como outras vezes, esta é mais uma internação sob os auspícios do que ainda lhe resta para submeter ao processo de nova e oportuna desintoxicação. Aliás, é uma alternativa única a ser feita.Desta vez,pedida por ela própria.Uma vez que cansada, agora, se rendeu.

3 comentários:

  1. Marcelo Rocha
    Nós da Associação dos Dependentes Químicos em Recuperação. Sabemos que não há nada de anormal no fato de uma portadora de uma doença incurável voltar a necessitar de cuidados médicos. Dependência Quínica é uma doença como qualquer outra. Sujeita e regressões. Casos semelhantes acorrem com portadores de câncer ou diabéticos ou outras doenças. Câncer muitas vezes retornam depois de eliminados e quadros de diabetes estabilizados regridem pondo em risco a vida do paciente. Na dependência química por se tratar de uma doença repleta de questões morais mal resolvidas pela sociedade parece assustador que um paciente volte a fazer usos de recursos médicos quando seu quadro clínico exige. É lamentável que a atriz tenha que passar por questionamentos ao invés de se formarem apenas correntes de orações e torcidas por sua recuperação como aconteceria caso ela estivesse se submetendo a sessões de quimioterapia para combater um câncer. Lembro: nossa doença e tão reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS)quanto o câncer ou diabetes. Marcelo da Rocha Presidente da ADQR - Associação dos Dependentes Químicos em Recuperação

    ResponderExcluir
  2. É um exemplo ao mundo cão da droga.Não façam isso com vocês meus jovens!!!

    ResponderExcluir
  3. POBRE VERA. PODIA ESTAR AÍ NUMA BOA...APROVEITE, VERA, ENQUANTO VC VIVE.AINDA HÁ TEMPO PARA RECUPERAR.

    ResponderExcluir