Páginas

8 de set de 2011

CRÉDITOS LESADOS POR OPERADORA LEVAM AO FIM CASAMENTO DE 20 ANOS

SUMIÇO DE CRÉDITOS? ALERTA!!!


Tudo aconteceu na cidade de Janaúba-norte de Minas Gerais. JP emprestou o telefone à esposa LM dizendo que acabara de inserir no aparelho pré-pago R$ 12 reais de créditos. De imediato ela confirmou a informação do marido clicando asterisco, o número e quadrado seguidos de solicitação. A operação, enfim, realizada com sucesso.
A mulher casada com comunhão de bens recebeu o tele-móvel e dirigiu-se para a varanda no intuito de tentar melhores ventos em favor de uma boa voz. Para início de conversa o primeiro acesso não passou de um segundo assim realizado:
“Você pode vir aqui agora, Maria?” De acordo com o plano, dos R$ 12 reais inseridos, seriam gastos apenas alguns centavos.Não mais que isso.
Até, que, se deparasse ao contrário, ela não tinha motivo para desconfiar de que algo lhe pudesse tirar do sério.  A prestadora de serviço móvel honesta... o aparelho telefônico abarrotado de créditos... Segundo o que o plano admite contratado, daria sem dúvida para falar por um bom tempo.

Descontraída, a senhora ciente do fornecimento da prestadora cruza as pernas no sofá ao lado da filha. Porém, antes, mesmo de completar os números de uma segunda ligação da suposta promoção, vê acusar em belo som saído de dentro do pré- pago do seu esposo, um anúncio. Este dava conta de que naquele celular o usuário não possuía mais crédito algum. A mulher não acreditou no que acabara de ouvir.
Como assim? Tentou uma nova ligação gratuita de confirmação. Qual não foi o tamanho do espanto: “Você não possui crédito para realizar nenhuma chamada”! Fim de papo.
A mulher, pessoa de caráter idôneo sem nenhum histórico de mentira, comunica ao marido o fato de que somente uma ligação de meio segundo fora dada.
O esposo que tem aversão por mentiras se transtorna. E pasmem! Ele não acreditava na própria companheira embora a conhecesse muito bem. Dominado pelas promessas da operadora defende o plano com unhas e dentes.
Disse que acreditava mais na operadora contratada do que na esposa tida como séria com quem convivia há duas décadas.
Passou a atacar a esposa colocando em xeque a sinceridade dela.Afirmava aos quatro cantos que ela estava mentindo para tapar a mania que tinha de viver dependurada ao telefone. Em suma, preferia a empresa a sua mulher. Aí foi a gota d’água. A esposa que também tem aversão por injúrias quis provar sua inocência.Passaram a viver as turras depois que chegaram as as vias dos fatos.Assim sendo, estão em fase de separação litigiosa.
Comunicaram a ocorrência à operadora que desconversou diante da seriedade do fato.
A esposa jura inocência e cita indícios de prova do que afirma.O homem movido pela boa fé de espertalhões ficara cego de credulidade. Enquanto que a operadora irredutível não está nem aí para desgraça dos dois.
É um absurdo principalmente porque a fornecedora teima em incriminar a mulher que se diz inocente afirmando e jurando de pés juntos que os créditos desapareceram do celular sem serem usados.
“Mais isso não vai ficar assim não!” juram vinganças recíprocas às mesmas intensidades. A esposa porque foi acusada de mentirosa e ela não é nada boba.O homem,mais fácil de ser levado teve por base a articulação bem planejada. Coisas de primeiro mundo.Trabalhador direito e correto do sertão das gerais, pensa que todos que se dizem bom, bom, martelando o tempo inteiro não é passível de erro, jamais.
Tudo será esclarecido a curto prazo perante a justiça. A operadora não cede sua falha e nem recompõe o que tiveram como lesão.


Enquanto não se resolve a situação, casal pede sigilo. Nos próximos dias, tudo poderá será revelado com aquiescência dos dois.

2 comentários:

  1. É um absurdo essas ousadias que não medem consequências alheias. Essa é muito boa.

    ResponderExcluir
  2. ...Enquanto isso,a operadora tá lá numa boa. Cada vez melhor. Só lucro atrás de lucro.

    ResponderExcluir