Páginas

8 de abr de 2011

PM BRECA O ATIRADOR QUE SE SUICIDOU NA ESCADA DA ESCOLA


ALERTA - MAIS SEGURANÇA NAS ESCOLAS! (Veja vídeos revelados abaixo)



- O ATIRADOR NÃO TINHA COMO NÃO CONVENCER: ERA TRANQUILO, POR VEZES SERENO, SEM ANTECEDENTES CRIMINAIS E BEM VESTIDO. 
  ENFIM, O PIOR DOS TERRORISTAS ENTROU  NA ESCOLA  PELA PORTA DA FRENTE                                                                                          


Multidão de curiosos à frente da escola
- EU VOU MATAR VOCÊ...VOCÊ AÍ, NÃO...VOCÊ, SIM...VOCÊ PODE FICAR TRANQUILO, VOCÊ... NÃO!!!
                                                     
Filho adotivo com 5 irmãos, se dizia aidético
Um  atirador de elite com direito a acelerador de disparos de armas de fogo, entra numa sala de aula da oitava série da Escola Municipal Tasso da Silveira, no Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro com uma mochila no ombro.
A aula de Português é interrompida com a chegada do rapaz que domina todas as atenções. Abre a mochila e do seu interior retira dos revólveres 38 e os posicionam em cada mão . Antes, porém, teria anunciado que estava ali para proferir uma palestra. Depois de deixar clara a sua intenção, a professora estática  se vê perplexa, estarrecida e sem ação. Seus alunos, em torno de 40  voltam-se os olhares apavorados para Wellington Menezes de Oliveira o moço de 24 anos que invadiu  o local. Tudo em fração de segundos acontece; protagonizado pelo desconhecido até então.O massacre é anunciado: "Eu vou matar você ! Você aí, não. Você, sim. Você, pode ficar tranquilo, você não!"  Assim, o assassino escolhia o alvo  em meio aos pedidos de clemência: " Não atirem em mim, por favor, moço!"Diziam os alunos que acabavam de serem jurados de extermínio; a maioria meninas.
Descansando em paz, depois do massacre que arquitetou
A resposta do bandido é a ordem para se encostarem na parede. de costas. Sem piedade começa atirando na direção das cabeças  dos alunos escolhidos para morrer. Disparos e mais disparos. Em meio ao tumulto,desespero, choro e pedido de socorro.  Uma saraivada de balas que parece não ter fim põem os meninos e as meninas entre 12 e 14 anos em polvorosa. Alguns conseguem escapar em meio a correria, gritos e muito sangue; enquanto o assassino recarregava as armas.
Nesse ínterim, a desgraça que estava apenas começando era prevenida por um aluno do lado de fora; com vistas a um fim menos trágico ligou para a polícia que se encontrava  passando por aquelas imediações. Tal iniciativa foi oportuna e brilhante na salvação de novas vítimas. Os homens agiram com rapidez e, um sargento  considerado herói  foi quem brecou as novas investidas do algoz atirando em sua perna quando ele já apontava para outros alvos de outra sala.
Mesmo assim, não satisfeito o atirador que também já fora aluno, ali, tem o seu desfecho  na escada  de acesso a próxima sala. Mas ferido aperta o gatilho contra a própria cabeça colocando-se entre suas vítimas, a de número 12; certamente, como um dos objetos premeditados da sua ação.

A prova cabal da premeditação é a carta deixada que se segue na íntegra:

"...APÓS ME ENVOLVEREM NU NESTE LENÇOL BRANCO, PODERÃO ME COLOCAR NO MEU CAIXÃO."

Primeiramente deverão saber que os impuros não poderão me tocar sem luvas, somente os castos ou os que perderam suas castidades após o casamento e não se envolveram em adultério poderão me tocar sem usar luvas, ou seja, nenhum fornicador ou adúltero poderá ter um contato direto comigo, nem nada que seja impuro poderá tocar em meu sangue, nenhum impuro pode ter contato direto com um virgem sem sua permissão, os que cuidarem de meu sepultamento deverão retirar toda a minha vestimenta, me banhar, me secar e me envolver totalmente despido em um lençol branco que está neste prédio, em uma bolsa que deixei na primeira sala do primeiro andar, após me envolverem neste lençol poderão me colocar em meu caixão. 


"...PRECISO DA VISITA DE UM FIEL SEGUIDOR DE DEUS EM MINHA SEPULTURA... PEDINDO PERDÃO DE DEUS PELO QUE FIZ..."
Se possível, quero ser sepultado ao lado da sepultura onde minha mãe dorme. Minha mãe se chama Dicéa Menezes de Oliveira e está sepultada no cemitério Murundu. Preciso de visita de um fiel seguidor de Deus em minha sepultura pelo menos uma vez, preciso que ele ore diante de minha sepultura pedindo o perdão de Deus pelo o que eu fiz rogando para que na sua vinda Jesus me desperte do sono da morte para a vida. 

"EU QUERO QUE MINHA CASA SEJA DOADA PARA A PROTEÇÃO DOS ANIMAIS"


Eu deixei uma casa em Sepetiba da qual nenhum familiar precisa, existem instituições pobres, financiadas por pessoas generosas que cuidam de animais abandonados, eu quero que esse espaço onde eu passei meus últimos meses seja doado a uma dessas instituições, pois os animais são seres muito desprezados e precisam muito mais de proteção e carinho do que os seres humanos que possuem a vantagem de poder se comunicar, trabalhar para se alimentarem, por isso, os que se apropriarem de minha casa, eu pelo por favor que tenham bom senso e cumpram o meu pedido, por cumprindo o meu pedido, automaticamente estarão cumprindo a vontade dos pais que desejavam passar esse imóvel para meu nome e todos sabem disso, senão cumprirem meu pedido, automaticamente estarão desrespeitando a vontade dos pais, o que prova que vocês não tem nenhuma consideração pelos nossos pais que já dormem, eu acredito que todos vocês tenham alguma consideração pelos nossos pais, provem isso fazendo o que eu pedi.”

              


Imagens do Google
                                                                                                                                                                         

4 comentários:

  1. Foi lastimável esse acontecimento só com anjos!

    ResponderExcluir
  2. Caso tétrico...Incrível...

    ResponderExcluir
  3. Tte. Dirceu Cardoso9 de abril de 2011 20:08

    É mais um massacre no Rio de Janeiro, ao mesmo tempo em que nos entristece, é um alerta para as necessidades dos novos tempos, globalizados. Foi-se a época em que podíamos andar tranquilamente pelas ruas, deixar casa e carro abertos e, mesmo assim, ter a sensação de segurança. A escola, como termômetro da nova sociedade que pegou o país desprevenido, vem dando, há anos, os sinais de inconformidade. o outrora bem pago e respeitado professor, ultimamente, tem sido mal pago, ofendido, agredido e até morto pela sus própria clientela.

    ResponderExcluir
  4. Alguém já parou pra pensar onde que ele conseguía dinheiro que não é nada fácil ?

    ResponderExcluir