Páginas

3 de jul de 2011

ITAMAR, VEM À LUZ NO NAVIO ITA EM ALTO MAR


...TINHA COMO MARCA REGISTRADA UM REDEMOINHO NO CABELO

Corria o ano de 1930.
Dona Itália Cautiero Franco se encontrava dentro do navio denominado Ita com destino à Salvador, capital baiana. Havia acabado de perder o marido uma das razões de estar deixando o Rio de Janeiro para aventurar uma vida nova.
Prestes a dar a luz, já sentindo os primeiros sinais das contrações, Dona Itália não tem mais, como interromper a longa viagem que teria pela frente.
Ali mesmo ela se rende ao trabalho de parto, ajudada por tripulantes voluntários que se dispuseram a ajudá-la como parturiente. Ela dá a luz um robusto garoto que recebeu o nome Itamar; nome criado por ela, de acordo com a situação que poetizou o fato associando o nome do navio, Ita, com o mar sobre o qual deslizava no momento.
Foi com muita festa a sua chegada na Bahia, na casa de um tio. Ali, mesmo tratou de registrar a criança como natural de Salvador, Bahia.
A partir de então resolve seguir viagem para Juíz de Fora em Minas Gerais, onde morava a maior parte da sua família.
Itamar desde pequeno já jogava basquete além de outras atividades como lider em escolas, bem como no seu círculo de amizade e assim por diante.
Em 1954 formou-se em Engenharia Civil e ingressou na carreira política ao mesmo tempo.Casou-se com a sociality Ana Eliza Sureze com quem teve duas filhas.
Foi em 1992 que foi aclamado Presidente depois de vencidas as eleições, ele como vice de Fernando Collor de Mello a quem na metade do governo sofreu processo de Impeachement pelo Congresso Nacional, acusado de corrupção.
Com o afastamento de Collor, Itamar, dedicou-se inteiramente a suas obrigações de presidente. Em grande porte trazia no alto da sua cabeça um traço forte que marcava a sua personalidade.O penteado que usava tinha origem no redemoinho inato com formato de um penacho. Era muito bem cuidado pelo cabeleireiro Sílvio, da sua confiança, morador em Juíz de Fora.
Conduziu o governo com muita sapiência por dois anos, três meses e vinte e nove dias.
Apesar de pegar o trem andando (o que diria como bom mineiro por adoção).
Porém,o trem estava mais para descarrilado. Foi colocado nos trilhos, por ele, salvando a pátria ao fundar o Plano Real sem nenhuma mácula de corrupção. pois, já carregava tal retidão desde o seu princípio, em tempos idos.


3 comentários:

  1. Gigobélio Gourghan3 de julho de 2011 22:52

    Talvez o homem do topete não combinava com Collor porque ele não aceitava maracutaias (como diz Lula).
    Itamar era direito e não gostava, certamente, do que via.

    ResponderExcluir
  2. QUEM NOS DERA SE TIVÉSSEMOS PELO MENOS UMA MEIA DÚZIA DE ITAMAR NO NOSSO COMANDO!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir