Páginas

14 de fev de 2011

SOB TERROR : MULHERES MUÇULMANAS SACRIFICADAS SEM DEFESA

SUBMISSÃO NOTA ZERO                                   

A imagem é do fotógrafo Jodie Bieber que ganhou  prêmio de muito prestígio-
Mulheres muçulmanas, no Afeganistão, como exemplo de tirania, são consideradas pelos homens como um objeto. Humilhadas, vivem num inferno sem voz nem vez. São submissas que vivem inteiramente à disposição do seu "macho", não importa quem o seja.Sem exceção para tarado, doente mental ou assassino.Sendo homem, vale tudo!
As atrocidades contra o sexo frágil, nesse país Asiático, são de caráter retrógrado. Agressões às mulheres por razões disciplinares nos menores pretextos: ("uso de sapatos coloridos, ou meias finas, pequenas partes do tornozelo a mostra, falar alto quando conversam, o barulho de suas risadas nos ouvidos dos homens estranhos e até mesmo o barulho dos saltos de seus calçados.") Ademais, foram fenômenos rotineiros durante o taliban. (Movimento islamita, extremista e nacionalista.)
Recentemente aconteceram protestos internacionais em reprimenda a lei pelo governo afegão que consagra o direito legal de um marido ter sexo com a esposa quatro vezes por semana.A lei foi alterada sob pressão, porém, fazendo legal outra opção piorada: "Que a esposa morresse de fome até que submetesse à relação sexual".
Outras regras, como a dos estrupadores davam conta de que um relatório da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão, denominado " O Silêncio e a Violência",divulgasse que o estupro não é mesmo um crime sob as leis do Governo da República Islâmica do Afeganistão.No entanto, uma mulher que relata um estupro às autoridades vai achar que o sexo fora do casamento é um crime, e ela provavelmente vai ser condenada por esse crime, a menos que possa ter quatro testemunhas do sexo masculino que corroborem sua alegação de que a relação sexual foi consensual.Caso ela consiga evitar a punição do sistema jurídico, costumes culturais muitas vezes ditam uma resolução aceitável do conflito entre sua família e a dos seus atacantes, incluindo:
* Matar tanto a vítima quanto o estrupador,
* forçar a vítima a se casar com o estrupador; ou,
* entregar as meninas da família do estrupador à família da vítima a título de compensação pela "honra perdida".
O terror dominante deixam estarrecidas as mulheres só pelo fato de pertencerem ao gênero feminino.Incontáveis são os exemplos que servem como pressão a todas que não se submeterem a homens de toda e quaisquer natureza sexual.

                                                                   FÁBRICA DE MUTILAÇÃO


Haja vista a jovem Aisha, de 18 anos (foto acima), ser condenada pelo Taliban e ter suas orelhas e seu nariz cortados por ter fugido do marido e voltado para a casa dos pais, na província afegã de Oruzgan. A jovem tinha sido prometida ao marido, segundo uma lei taliban conhecida por baad, para resolver disputas financeiras. Ela casou aos 14 e era sistematicamente abusada, até que aos 18 fugiu. Mutilada e abandonada, Aisha foi mais tarde resgatada pelo exército estadunidense e hoje mora nos Estados Unidos.
A imagem dessa jovem afegã mutilada pelos talibans foi eleita ontem a foto do ano pelo júri internacional da organização World Press Photo. A foto de Bibi Aisha feita pela fotógrafa Jodi Bieber também ganhou o primeiro prêmio na categoria de retrato individual. O retrato foi capa da revista estadunidense Time, em nove de agosto de 2010.
Aisha quis posar para a foto do fotógrafo Bieber para mostrar ao mundo os males que uma possível ressurgência do Taliban no Afeganistão poderia trazer para as mulheres afegãs.


 

7 comentários:

  1. È um absurdo essas opressões contra a mulher.Se mal não me pergunto : "Os criadores destas leis são tarados ?"

    ResponderExcluir
  2. KD os nossos direitos humanos? Genteim quem fez isso?Coitada da AISHA.Taliban vagabundo...Como é isso?TÔ puta. Traspassada...

    ResponderExcluir
  3. Que horrível!!!Mas nem tudo é terror nas terras de "aladim".Há países onde as mulheres são respeitadas e amadas segundo as leis islâmicas.Quem faz isto com uma mulher,não segue as leis islâmicas,o profeta nunca autorizou isto.Quem comete tal crime não é muçulmano,mas sim sim segue as leis do satan.

    Luciene Arantes
    luciennypba@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. sinceramente fiquei muito chocada , fogo com muita pena minha , mas se me fizessem isso eu queria velo morto , ninguem merece , nos mulheres tambem temos direitos e agfora sera que alguem vai fazer alguma coisa a esse crapola , esse gaijo nao vale nada .

    ResponderExcluir
  5. Ele realmente não vale nada,a morte é pouco prá ele,ele deveria sofrer o que ela sofreu e muito,muito mais.... Mas acredite!! isto não faz parte das leis islamicas,quem faz isto não segue o alcorão e nem os ditos do profeta.É um louco apoiado por loucos que como todas as religiões teem seus loucos.Isto não quer quer dizer que o islan prega isto,muito pelo contrário,o islan diz que os homens deve amar,respeitar e proteger as mulheres.Quem fez isto ....se usa o nome do islan...não é muçulmanos,mas repito...segue as leis de satan

    ResponderExcluir
  6. concerteza!! Eu fiquei horrorizada a ve-la nesse estado. Deveriam fazer com a coisa que fez isso com ela (ele ñ deve ser chamado de ser humano) a mesma coisa só que com suas partes genitais e faze-lo sofrer até o ultimo suspiro!!

    ResponderExcluir
  7. Deus me perdoe, mas que religião é essa??? Só vejo atrocidades, cristãos são mortos, degolados, mutilados .... não que as outras religiões não sejam importantes, budistas, indus, judeus, entre outros, sofrem nas mãos dos muçulmanos.
    Eles são primitivos e crueis, alem do que, não tem a razão como base de argumento, apenas o "corão", que só causa desgraça. Não quero o mal de ninguem, mas Deus nos proteja contra a ascenção dessa raça.

    ResponderExcluir