Páginas

29 de jun de 2011

BRUNO SE AGARRA À NOIVA, CHORA E SOLTA AS ESTRIBEIRAS

                                                                                                         

Audiência é coisa séria
ACUSAÇÃO CHANTAGEIA GOLEIRO. DIZ DR. EDSON

Feliz e animado,Brunochega à Comissão de Direitos humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais a tiracolo, com a noiva Ingrid. Desinibidos ficam o tempo inteiro de mãos dadas. Ora por outra ele aproxima do ouvido dela e confidencia algo na intimidade, ao que parece.
Mais altivo e mais seguro ele resolve abrir o bico em dois sentidos:  beijando-a o tempo inteiro e falando em alto e bom som o que antes nunca havia dito.
Desabafa contra um esquema de tentativa de extorsão a qual a juíza Maria José Starling da Comarca de Esmeraldas teria participado. Acusa também Dr. Edson Moreira responsável direto pelos rumos a que tomou o seu caso:

“Acreditem em mim, eu sou inocente.” Olha para um lado e outro procurando apoio ali por perto.
“Não aceitei a proposta suja feita por Dr. Edson porque não devo nada e quero sair daquele presídio com a cara limpa e continuar minha carreira”, disse Bruno. Ele afirmou que, após recusar fazer o pagamento de R$ 2 milhões pedido pelo magistrado, ele teria ameaçado suas filhas.
O rolo não para por ai. Houve confirmações de pontos de extorsões também pelos advogados de Bruno, Cláudio Dalledone Júnior e Patrick Berriel, e pela noiva do atleta, Ingrid Oliveira. Segundo os depoimentos, também deveria ser pago R$ 1,5 milhão em forma de honorários ao advogado Robson Pinheiro, que defendeu Bruno por cerca de dois meses.
Ele, o jurisconsulto, teria sido apresentado à família do goleiro pela própria juíza e seria o responsável por fazer o pedido de habeas corpus em um fim de semana que Maria José Starling estivesse de plantão, já que o processo corre em outra comarca, a de Contagem.
Edson Moreira rebateu as acusações que Bruno fez contra ele. Defendeu a sua reputação e disse que não sente nenhum pouco sua imagem arranhada e nem reputação atingida.
Insinuou o choro de Bruno como lágrimas de crocodilo e, justificou a impossibilidade de Eliza estar viva em outro lugar. Pois, se ela estivesse viva e viajado para onde quer que fosse, ele não teria ficado com a mala dela e muito menos Eliza ficaria longe do filho.

2 comentários:

  1. Bruno agora com essa tal ingrid, ninguem suporta. Falar nisso, ela não tem medo de ser a próxima vítima, não ?

    ResponderExcluir
  2. EU NUNCA VI A GENTE PRESA VIVER EMPENCADA.

    ResponderExcluir